"Escrever é usar as palavras que se guardaram: se tu falares de mais, já não escreves, porque não te resta nada para dizer." [M.S.T.]

8.12.08

A infidelidade é uma armadilha: primeiro abraça-nos e depois estrangula-nos!*

E a monogamia continua a não ser uma escolha, é uma vocação.
E não é fiel quem quer, é fiel quem pode.
(Temos dito!*)

4 comentários:

  1. Não concordo com o só é fiel que pode..´.É fiel quem quer, mesmo que para isso seja necessário grande vontade e dedicação e sobretudo grande privação.. Melhor dizendo é mesmo preciso espirito de sacrificio..
    Já infiel só é quem pode ou tem oportunidade lol

    ResponderEliminar
  2. O meu Zahír voltou! E estou feliz!
    Volta sempre!
    (depois respondo ao teu comentário!)

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Para o Meu Zahír:

    A infidelidade faz parte da vida. É como um gene; pode ou não nascer connosco.
    Entra na infidelidade o princípio apostólico do pecado por pensamentos, actos e omissões. Pensar repetidamente em cometer uma infidelidade pode constituir per si um comportamento infiel? A lógica da subjectividade vence sempre e é sempre onde podemos encontrar menos lógica. Gostamos de argumentar que há uma diferença entre o pensamento e a acção, mas o que é facto é que se nos apercebermos que a pessoa com quem 'vivemos' tem outro alguém, ainda tal presença viva apenas do sonho e da imaginação, isso pode doer tanto como um acto de infidelidade consumado.

    ResponderEliminar

.