"Escrever é usar as palavras que se guardaram: se tu falares de mais, já não escreves, porque não te resta nada para dizer." [M.S.T.]

15.11.09

A minha nova vida começa aqui: http://anateresaamorim.blogspot.com/
E quase um ano depois, este blogue termina assim. Num dia de chuva que tinha tudo para ser perfeito, como a vida que eu tinha planeado para nós. Termina como todas as histórias de amor - sem um final feliz.
O meu português deixou de ser mais-que-suave e por mais que eu não goste de desistir, há que saber quando chega a altura certa de o fazer.
Gostei muito de vos ter aqui, de conhecer pedacinhos de cada um, de ler as vossas mensagens, sempre com um sorriso.
Viver neste português suave significou muito para mim. Este ano foi dos mais importantes da minha vida. E sempre que voltar a clicar em cada despojo encontrarei a saudade e a certeza que tudo aqui fazia muito sentido.

Despeço com um beijo, um sorriso e um até sempre.

Teresa
15 de Novembro de 2009

8.11.09

"de rastos a teus pés
perdida te adorei
até que me encontrei, perdida
agora já não és
na vida o meu senhor
mas foste o meu amor, na vida."

E mais uma vez portei-me como uma criança, meu amor. Mas amo-te de verdade, como uma mulher.
Desculpa não saber agir. Ultimamente, não consigo raciocinar muito bem. A culpa é deste amor, que cresce inconscientemente, por mais que eu tente suprimi-lo. A culpa é minha também. Que não penso antes de te dizer coisas que não sinto nem nunca senti.
Aqui fica o meu pedido de desculpas, não por te amar demais, mas por ser demais aquilo que faço por ti.

7.11.09



Não queiras saber de mim. [http://www.youtube.com/watch?v=0bHcnWqMQxM]


'Fico fora de combate, como se chegasse ao fim...'


Há sempre um tempo para Acreditar, um Tempo para Viver e um Tempo para Desistir....
Acho que chegamos ao limite. Já te disse que estou cansada. Quem disse que amar não cansa? Isto está a ficar perigoso demais e o que mais me magoa é ver-te chateado por isso.
?

Preciso de um novo amor, de um novo começo, de um novo blogue, de uma nova vida.

Era tudo o que eu queria agora. Melhor que isso, só mesmo o teu corpo, meu amor.

Voltamos aos programas de Verão. Voltamos a ser felizes juntas. Tinha saudades da cumplicidade e da doçura do teu olhar.
Voltamos-nos a perder em Santo Tirso. Voltamos a devorar quilos de jesuítas e a cantar em uníssono.
A minha profissão: filha.

6.11.09

Nunca desconfiei de ti, Pi. Por mais absurdo que pareça. É bom voltar a dizer 'Amo-te'.
"Desconfiar de alguém é presumir que não se está à altura do amor que se recebe."
[Eduardo Sá]

5.11.09

Naquele dia, ele disse-lhe que não era com ela que queria ficar. Naquele dia, ela aprendeu a nunca mais amar alguém mais que a ela própria. Naquele dia, ele não manteve o silêncio que prometeu. Naquele dia, ela pensou, por segundos, em contar a quem de interesse o que tinha acontecido naqueles dois meses. Naquele dia, ele escolheu ser infeliz. Naquele dia, ela percebeu que apesar da vida ser cruel ela continua a ser uma miúda de bom coração. Naquele dia, a história de amor deles chegou ao fim.
Neste preciso dia.

4.11.09

Por mais triste que a vida seja,

É bom saber que há coisas que continuam no lugar.
É bom voltar, hoje, a casa.


É bom chorar aqui quando está tudo arrumado. Até o coração.
Quisera eu fazer-te uma declaração de amor daquelas mais-que-pirosas. Quisera eu passar todos os segundos do meu dia contigo, a amar-te e a fazer amor contigo. Quisera eu que a vida me respeitasse os sonhos e as vontades e ter-te-ia ao meu lado, para sempre. Quisera eu que isto não tivesse começado com um fim pré-destinado, com datas para deixar de amar e horas para te encontrar. Quisera eu que este amor não fosse clandestino e que fosses capaz de tomar a decisão certa. Quisera eu que esta declaração de amor nunca tivesse sequer existido.

2.11.09

Mandou-me uma mensagem a perguntar se a Teresa Albuquerque (?) 'tá boa, a afirmar ela é uma má amiga, que fica semanas sem dizer 'olá', que se esqueceu do resto do mundo e que a pergunta 'quem és tu, miúda?' faz mais sentido que nunca.

É tudo verdade mas juro que daqui a duas semanas volto a ter todo o tempo para ti, para vocês, para os meus amigos. Isto não é um desejo. É uma promessa.