"Escrever é usar as palavras que se guardaram: se tu falares de mais, já não escreves, porque não te resta nada para dizer." [M.S.T.]

22.4.09

Parece que foi há muito tempo. Talvez até tenha sido um sonho...*

Clandestinamente, recordo esse teu ar de menino doce e convencido! Clandestinamente, sinto e vivo o que passou, o que o meu coração inventou, o que – de consciência limpa - compus, na mais pura essência de mim, de nós. Clandestinamente, acaricio esses teus cabelos, nos sonhos que fabrico… porque gostei, gosto e talvez gostarei sempre deles. Do ar desalinhado com que me olhas, do tal desalinhamento desses cabelos cor de ouro, de terra, de vida!Clandestinamente, existes em mim!Clandestinamente, digo-te que não é amor, nem amizade, nem atracção, nem ódio, muito menos paixão… é simplesmente um sentimento “clandestino”.
Guarda, 7 de Outubro de 2008

[Porque às vezes (muito raramente) faz bem (re)viver o passado. ]

(*) Recuperado do blogue que criei, por esses dias, para ti.

1 comentário:

  1. Tenho tantos desses 'ataques' clandestinos que por vezez até eu me recuso a aceitar que os tenho. x) ahaha.

    ResponderEliminar

.